Quinta-feira, 7 de Maio de 2009

ABERTURA DA BARRA DE AVEIRO

Planta da Barra em 1843. Arquivo do Porto de Aveiro


Ao longo do ano de 2008 assistiu-se, com agrado, às diferentes iniciativas e cerimónias destinadas a assinalar os duzentos anos da abertura da Barra de Aveiro.
Organizaram-se exposições muito interessantes e elucidativas sobre os antecedentes que levaram à execução do projecto, a complexidade dos trabalhos a executar, a tremenda dificuldade para os levar a cabo, a importância do seu funcionamento para o progresso verificado paulatinamente na região, a qualidade dos responsáveis e executores principais, que foram homenageados, como era natural.
Seria justo que tivesse sido dado um minuto de glória aos muitos trabalhadores anónimos que, com o suor do seu rosto, deram corpo ao projecto que permitiu salvar o pouco que já restava de Aveiro e mudar a face de toda a região envolvente, que se tornou um pólo de desenvolvimento e progresso notáveis.
Muitos terão sacrificado a sua vida, quer perecendo em acidentes de trabalho, afogados ou esmagados, como era natural em tempos em que a segurança não era objecto de normas estritas e vigiadas como hoje, nem os meios disponíveis correspondiam ao necessário.
Muitos vieram de longe perseguindo uma oportunidade de ganhar o magro pão para a família que ficava lá atrás, sobretudo no último ano, em que os trabalhos foram acelerados, empregando-se para isso toda a gente disponível e lançando mão de todos os recursos possíveis. Esses vinham dispostos a suportar todos os sacrifícios que lhes permitissem levar para casa tudo o que pudessem poupar do pagamento do seu esforço.
No decurso de investigações que tenho desenvolvido sobre o povoamento da Gafanha desde o século XVII até aos nossos dias, deparou-se-me um assento de óbito que me obrigou a uma reflexão sobre esses trabalhadores anónimos, desprotegidos e esquecidos, que pagavam com o seu corpo as tristes condições a que se viam submetidos devido à sua miséria. Transcrevo-o, sem mais comentários, pois a sua crua simplicidade é eloquente:

“ Requeixo - Manoel de Oliveira da Estrada

Em dois de Março de mil oitocentos e sete anos faleceu da vida presente sem sacramentos por se achar morto junto às paredes de Nossa Senhora da Conceição cujas estão na veia da Gafanha e aí morreu com frio vindo ajudar a abrir a Barra Manoel de Oliveira da Estrada do Lugar e Freguesia de Requeixo casado que era com Maria Francisca filho de João de Oliveira e Francisca João do Lugar da Taipa da mesma Freguesia foi amortalhado em um lençol que lhe deu a Santa Casa da Misericórdia e acompanhado pelos Irmãos da dita Santa Casa era ordinário na altura magro barbas e cabelo preto salpicado de branco e foi sepultado no Adro desta Igreja de Vagos de que fiz este assento que assinei era ut supra

(Assinatura) O Parº. Manoel de Almª. e Payva…”

à margem do assento: “ Fiz 1 Nocturno era pobre” (e assinou o Pároco).

Inclinemo-nos em silenciosa homenagem, em nome dos primeiros habitantes da “Gafenha”, nossos antepassados, respeitosos e solidários protagonistas de esforçada aventura de sobrevivência e progresso.

Orquídea Ribau
NOTA: A partir de hoje, os meus Blogues vão passar a contar com mais uma colaboradora. Orquídea Ribau, da Gafanha da Encarnação, tem-se dedicado à pesquisa história relacionada com a Gafanha. Folgo em poder contar com ela. Ao mesmo tempo, quero dizer aos meus leitores que os meus Blogues continuam abertos a outras colaborações, sempre pela positiva. Os meus agradecimentos sinceros à Orquídea, com votos de grandes êxitos culturais, profissionais e pessoais.
FM
publicado por Fernando Martins às 09:30
link do post | comentar | favorito
 O que é?
1 comentário:
De Anónimo a 7 de Maio de 2009 às 20:19
História curiosa... Quantas haverá semelhantes? É verdade que só ficam na história os chefes... As pessoas humildes são sempre ignoradas.

Jeremias Ferreira

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Voltei à casa antiga

. Estória das secas

. Amanhã vamos ter nordeste

. Bispo de Aveiro: D. João ...

. Festa da Senhora dos Nave...

. Ruas da Gafanha da Nazaré...

. Protestantismo na Gafanha...

. Visita Pastoral de D. Man...

. FAMILIAS TRADICIONAIS NA...

. Cortejo a favor do Seminá...

.arquivos

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds